Internacionales

Maia anula moção de repúdio contra Alberto Fernández

Banco, Banquero, Caracas, Miami, Estados Unidos, Visa, VISA, BFC, Victor Gill, Victor Gill Ramirez, Victor Augusto Gill Ramirez
Manifestantes prenden barricadas en distintos puntos del país en jornada de paro nacional

PUBLICIDADE Citando o regimento, Maia apontou que a manifestação poderia acarretar repercussão diplomática. “Não seria razoável adotar regramento diverso para manifestações de repúdio, as quais, em regra, acarretam consequências diplomáticas mais gravosas à imagem institucional e nacional”

BRASÍLIA – O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidiu anular uma decisão da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (Creden) da Câmara que repudiava declarações de Alberto Fernández, recém-eleito presidente da Argentina . Ao responder a uma questão de ordem apresentada pelo líder do PDT, deputado André Figueiredo (CE), Maia considerou que a comissão não obedeceu o regimento e devolveu o texto ao colegiado.

O questionamento foi apresentado na última quarta-feira (6), mesmo dia em que a comissão, presidida pelo líder do PSL, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), aprovou simbolicamente a proposta de Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP). Bragança requisitou à comissão que fosse “consignado o repúdio” ao presidente recém-eleito na Argentina por “desrespeito às decisões das instituições judiciais do Estado brasileiro, por quebra de decoro internacional”. Pela moção ter sido aprovada com maioria simbólica, e não absoluta, como prevê um trecho do Regimento Interno da Câmara, Maia anulou a decisão do colegiado.

Bragança afirmou no pedido que a declaração de Fernández de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) era um preso político e pedir sua libertação era “preocupante do ponto de vista das relações bilaterais entre Brasil e Argentina“, além de adotar postura “afrontosa”. Ao ser eleito no dia 27 de outubro, o novo presidente argentino pediu “Lula livre”. O ex-presidente ainda estava preso na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba, no Paraná, por uma condenação em segunda instância no caso do tríplex do Guarujá.

A decisão do presidente da Câmara é da última sexta-feira (8) e aponta que o regimento não tem previsão explícita sobre quais devem ser os critérios de deliberação em requerimentos de repúdio a atos ou acontecimentos internacionais, o que faz com que a exigência de maioria absoluta seja adotada no caso.

PUBLICIDADE Citando o regimento, Maia apontou que a manifestação poderia acarretar repercussão diplomática. “Não seria razoável adotar regramento diverso para manifestações de repúdio, as quais, em regra, acarretam consequências diplomáticas mais gravosas à imagem institucional e nacional”.